19 de jun de 2012

A EDUCAÇÃO DOS HERÓIS


José do Patrocínio, André Rebouças e Teodoro Sampaio provaram que estudar é um dos principais caminhos para a igualdade racial


José do Patrocínio, André Rebouças e Teodoro Sampaio. Esses nomes estão nas placas de ruas em muitas cidades brasileiras - mas pouca gente que passa por esses endereços faz idéia de que se trata de heróis negros. Os dois primeiros, entre várias outras conquistas, foram peças-chave na queda da escravidão. O terceiro foi um dos maiores engenheiros da história do país, além de geógrafo, historiador e político. A história da vida dos três prova que a educação é o caminho mais eficiente e rápido para a igualdade.


Capítulo 02: Teodoro Sampaio (1855-1937)
ILUSTRAÇÕES: ÉLCIO TORRES
Teodoro Sampaio nasceu em 1855 na cidade de Santo Amaro, na Bahia. Filho de uma escrava do engenho Canabrava e, supostamente, do sacerdote Manoel Fernandes Sampaio, que o alforriou no batismo. Aos 2 anos de idade foi entregue a uma senhora da sociedade, Inês Leopodina, que o criou até os 9 anos. Um ano depois foi levado para o Rio de Janeiro pelo padre, que o internou no colégio São Salvador. Era tão brilhante que se tornou professor de lá em várias matérias. Logo depois de formado pela Escola Politécnica, em 1877, voltou à Bahia e negociou a alforria de sua mãe e dos irmãos, que ainda eram escravos. Foi um dos homens públicos de maior importância nos debates e projetos urbanísticos do país no final do século 19 e início do 20. Participou de obras de grande importância em várias regiões do país. Em 1927, entrou para a política elegendo-se deputado federal. Um dos maiores engenheiros do país, além de geógrafo e historiador, Teodoro foi o primeiro a mapear a região da Chapada Diamantina e fez uma extensa expedição pelo rio São Francisco. Suas anotações ajudaram Euclides da Cunha a escrever Os Sertões, assim como seus próprios livros. Escreveu três: O Tupy na Geografia Nacional, de 1901, O Rio São Francisco e a Chapada Diamantina, de 1905, e História da Fundação da Cidade da Bahia, publicado em 1949, após sua morte, em 15 de outubro de 1937, no Rio.


Para saber mais
• Moura, Clóvis. História do Negro Brasileiro .São Paulo Editora Ática.1992
• Oliveira, Eduardo (org). Quem é quem na negritude brasileira. São Paulo, Congresso nacional, 1998.
• Lopes, Nei. Enciclopédia Brasileira da Diáspora Africana. São Paulo, Selo Negro, 2004.

Nenhum comentário:

Postar um comentário