2 de abr de 2014

Dica de Filme: O Mordomo da Casa Branca (The Butler)


  • Nome: O Mordomo da Casa Branca
  • Nome Original: Lee Daniels' The Butler
  • Origem: EUA
  • Ano de produção: 2013
  • Gênero: Drama
  • Duração: 132 min
  • Classificação: 14 anos
  • Direção: Lee Daniels



Sinopse: 1926, Macon, Estados Unidos. O jovem Eugene Allen (nome no filme Cecil Gaines) vê seu pai ser morto sem piedade por Thomas Westfall (Alex Pettyfer), após estuprar a mãe do garoto. Percebendo o desespero do jovem e a gravidade do ato do filho, Annabeth Westfall (Vanessa Redgrave) decide transformá-lo em um criado de casa, ensinando-lhe boas maneiras e como servir os convidados.  Eugene (Forest Whitaker) cresce e passa a trabalhar em um hotel ao deixar a fazenda onde cresceu. Sua vida dá uma grande guinada quando tem a oportunidade de trabalhar na Casa Branca, servindo o presidente do país, políticos e convidados que vão ao local. Entretanto, as exigências do trabalho causam problemas com Gloria (Oprah Winfrey), a esposa de Eugene, e também com seu filho Louis (David Oyelowo), que não aceita a passividade do pai diante dos maus tratos recebidos pelos negros nos Estados Unidos.

18 de mar de 2014

Convite para a Cerimônia de Entrega do I Prêmio Professora Expedita Helena


O FERERJ estará realizando nesta próxima sexta-feira, dia 21 de março às 8 h, a entrega do I Prêmio Professora Expedita Helena de Apoio à Qualidade em Educação das Relações Étnico-Raciais.

O objetivo não é apenas homenageá-la, mas também divulgar e valorizar as ações das Escolas e Profissionais da Educação, que promovem as Diretrizes da Educação das Relações Étnico-raciais e o Ensino da História e Cultura Afro-brasileira e Indígena, de forma que envolvam todas as modalidades e níveis de ensino, durante todo o ano letivo

10 de mar de 2014

16 perguntas para avaliar como sua escola aborda o racismo

No início do ano letivo, cada professor/a deve fazer uma "lista de desejos" que inclua suas propostas de como poderá ajudar a mudar o mundo, entendendo que é instituído a este trabalho a disseminação do saber e do conhecimento que são ingredientes necessários para a construção e garantia da Paz, da valorização da Diversidade, da efetivação da Igualdade e pelo respeito aos Direitos de cada pessoa que está na escola.

Sabemos que os pais, o poder públicos e toda a sociedade também tem responsabilidades na garantia deste trabalho, mas a sociedade cobra da escola o papel de indutor de um posicionamento mais firme no exercício de garantia dos direitos e deveres, formando em grande escala cidadãos e cidadãs conscientes, responsáveis e que respeitem os Direitos e a Diversidade.

24 de fev de 2014

Onde estão os negros?

ANA FRANCISCA PONZIO
"Sinto muito se eu esperava ver negros na universidade. Nunca mais farei essa pergunta."
Com essa frase irônica e dita em tom mal-humorado, Steve McQueen despediu-se da turma de alunos do departamento de artes da Faap (Fundação Armando Alvares Penteado) que, em um dia de abril de 2001, compareceu a um encontro com o artista plástico britânico, que acabava de inaugurar uma exposição no MAM-SP (Museu de Arte de São Paulo).
Na época, aos 31 anos, antes de se tornar o diretor de três longas que ampliaram a difusão de seu nome --o mais recente, "12 Anos de Escravidão", concorre a nove Oscars no domingo que vem--, ele não parecia nada animado com a agenda de compromissos daquela estada na cidade.

Diante dos alunos da Faap, sempre com ar provocador, indagou por que não havia negros naquela plateia universitária e em outras situações, como o vernissage de sua exposição, ocorrido na véspera.

Ao deixar clara sua decepção com o elitismo que vinha presenciando, McQueen desencadeou um clima de desconforto. A maioria dos estudantes reagiu com um "não é bem assim". Alguém disse que ali era a faculdade mais cara do país e que, antes de tirar conclusões, ele deveria procurar conhecer melhor o Brasil, visitar diferentes regiões e se deparar com a multiplicidade cultural do país.

"Vocês estão muito defensivos, parece que pisei em algo sensível. Não estou agitando bandeiras, mas, desde que aqui cheguei, percebo que as pessoas não ficam à vontade quando toco nesse assunto. É como se certas questões, no Brasil, estivessem deixadas de lado, tornando-se invisíveis", disse.

14 de fev de 2014

O FERERJ está de volta

O blog do FERERJ está voltando, e desejamos a todos um excelente retorno.

E para a primeira postagem do ano, trazemos aqui o link de artigo muito interessante, que aborda a os impactos que os estudos étnico-raciais estão produzindo na educação básica, vale a pena ler.

Os estudos étnico-raciais e os impactos na Educação básica

30 de dez de 2013

A situação dos negros na França não é diferente de Nova Orleans (e do Brasil?)

Os veículos de informação franceses, com o foco na situação provocada pelo então furacão Katrina apontavam sobremaneira a reação pífia do governo americano. O desastre trouxe à tona, e à vista de todos, a triste condição de muitos negros americanos. Mas, desta vez, os franceses, que há muito têm criticado o racismo da América, não puderam evitar traçar alguns paralelos com o que ocorre no seu próprio território.

     Sissouo Cheicka teve dificuldade para obter empréstimo ao abrir sua loja, que dá lucro. É verdade que as devastações do Katrina expuseram cruelmente à luz do dia as feridas da América, a multiplicação dos guetos na sociedade, a pobreza, a criminalidade, as tensões raciais e territoriais, afirma o diário conservador Le Figaro, num editorial publicado em 8 de setembro. Na França, os que discordam com essa situação apressam-se a apedrejar o `modelo americano' e o seu presidente neo-conservador. Mas será que eles ao menos viram o estado em que se encontra o seu próprio país?.

20 de dez de 2013

Pesquisa de mestrado questiona qualidade de Escolas de Referência no estado de Pernambuco


A qualidade das Escolas de Referências do Ensino Médio de Pernambuco foi questionada em pesquisa desenvolvida por uma estudante de mestrado da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). De acordo com Edima Verônica de Morais, vinculada ao Programa de Pós-Graduação em Educação Contemporânea (PPGEDUC) do campus Agreste, há uma manipulação do que é conhecido por instituições de referência no estado.


Intitulada “As utilizações das escolas de referência em Ensino Médio: uma análise do Programa de Educação Integral de Pernambuco” e orientada pelo professor Jamerson Antônio de Almeida da Silva, a pesquisa possui como tema central a formação da juventude através dessa metodologia educacional, procurando compreender as utilizações das Erems por parte do Governo do Estado de Pernambuco. O PEI foi lançado pelo Governo do Estado de Pernambuco em 2008, criando as Erems, cujo objetivo é “fortalecer a educação integral no estado”. Segundo Edima, essas escolas cumprem o papel de passar a promessa de integração do jovem ao mercado de trabalho.