20 de dez de 2013

Pesquisa de mestrado questiona qualidade de Escolas de Referência no estado de Pernambuco


A qualidade das Escolas de Referências do Ensino Médio de Pernambuco foi questionada em pesquisa desenvolvida por uma estudante de mestrado da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). De acordo com Edima Verônica de Morais, vinculada ao Programa de Pós-Graduação em Educação Contemporânea (PPGEDUC) do campus Agreste, há uma manipulação do que é conhecido por instituições de referência no estado.


Intitulada “As utilizações das escolas de referência em Ensino Médio: uma análise do Programa de Educação Integral de Pernambuco” e orientada pelo professor Jamerson Antônio de Almeida da Silva, a pesquisa possui como tema central a formação da juventude através dessa metodologia educacional, procurando compreender as utilizações das Erems por parte do Governo do Estado de Pernambuco. O PEI foi lançado pelo Governo do Estado de Pernambuco em 2008, criando as Erems, cujo objetivo é “fortalecer a educação integral no estado”. Segundo Edima, essas escolas cumprem o papel de passar a promessa de integração do jovem ao mercado de trabalho.


No entanto, descobriu-se que, na verdade, as escolas passam por uma relação de manipulação do tempo e espaço. Muitas delas não possuem uma infraestrutura adequada com os padrões estabelecidos pela Unidade Técnica de Cooperação do PEI, visto que muitas escolas da rede passam a ser classificadas como de referência, porém continuam com o mesmo espaço. Em relação ao tempo, o que existe é a classificação de mais instituições semi-integrais como escolas de referência do que integrais. “Isso acaba criando uma ideia de aumento na quantidade dessas escolas sem, contudo, haver melhorias na qualidade de ensino”, afirmou Edima.

Outra abordagem está relacionada à formação oferecida aos estudantes dessas escolas. Conforme a pesquisadora, o que existe é uma forma de legitimar e definir a distribuição de poder, baseada na Pedagogia das Competências e que inclui as exigências do mundo empresarial. No âmbito político, essas escolas participam através da bonificação e gratificação que são oferecidas quando atingem metas estabelecidas por pacto firmado entre essas instituições e a Secretaria de Educação. ”Essa utilização vai no sentido de desmobilizar e enfraquecer a organização dos professores”, finalizou Edima.

Durante a realização do trabalho, Edima encontrou dados alarmantes sobre a educação brasileira.O Censo Escolar do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) / Ministério da Educação (MEC) de 2011 aponta que apenas 1,2% dos estudantesdas escolas federais e estaduais possuem padrões de qualidade internacional. Já a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) de 2011destaca que o Ensino Médio ainda é negado no Brasil, visto que cerca de 18 milhões de jovens entre 15 e 24 anos estão fora da escola.

Fonte: Universidade Federal de Pernambuco

Nenhum comentário:

Postar um comentário